Vegetarianismo: muito além de uma simples dieta!

Compartilhe
Vegetarianismo
Muito além de uma simples dieta! É um estilo de vida.

Considerado uma filosofia de vida, o vegetarianismo é um plano ou dieta alimentar que exclui todos os produtos de origem animal, sejam eles carnes, ovos ou laticínios do cardápio.

Esse gênero de alimentação é escolhido e implantado como diretriz com base em diversas razões éticas, ambientais e religiosas.

Como razão ética destaca-se: Impedir e/ou não contribuir para o sofrimento e abate dos animais. Existem pesquisas que reforçam e evidência, o quanto o homem consegue sobreviver sem o consumo ou o intermédio dos animais na produção de alimentos.

A maneira como é realizado o abate desses animais e o transporte geram bastantes reivindicações. A PEA (Projeto Esperança Animal) aborda em seu site as maneiras de abate e o quão esses procedimentos podem gerar sofrimento para o animal.

Como razão ambiental destaca-se: a contribuição para a preservação dos recursos naturais. É sabido que a pecuária recorre a algumas práticas destrutivas para com o meio ambiente a fim de obter espaços e condições para o cultivo dos animais. Segundo a ONU (Organizações das Nações Unidas):

“Existem quatro variáveis ambientais que limitam a produção de carne em escala global: a superfície ocupada pelas áreas de pastagens; a água consumida, tanto por parte dos animais como no processo de produção; os gases de efeito estufa produzidos pela flatulência das reses, e a energia necessária durante o processo.”

– Jornal El País.

Como razão religiosa destacam-se as religiões asiáticas budismo e hinduísmo. Para essas religiões vegetarianismo é uma escolha espiritual. Outras religiões também determinam que o não consumo de carne e derivados de animais, é um preceito para se aproximar da espiritualidade divina.

Vertentes do vegetarianismo

Vertentes-do-vegetarianismo
Essas vertentes são classificadas de acordo com a dieta estabelecida: quais são os alimentos permitidos ou não o consumo, bem como, a filosofia de vida.

Muitos dos adeptos da filosofia e modo de vida vegetariana condenam essas sub-nomenclaturas, pois eles relatam que elas distorcem ou nada tem a ver com os ideais suplantados pelos seguidores tradicionais.

A sociedade vegana determina vegetarianismo em três grupos: protovegetariano (ovo-lacto-vegetarianismo, ovo-vegetarianismo, lacto-vegetarianismo e pesco-vegetarianismo), vegetariano (consumidores apenas de alimentos de origem vegetal) e vegano (muito além da dieta com base apenas em alimentos vegetais também é abolido os produtos com pele, couro e os produtos fabricados por organizações que realizam testes em animais).

Veganismo

Sendo exclusivamente composta por alimentos vegetais produzidos pela terra. A pessoa vegana não consome quaisquer produtos de origem animal (carnes, ovos, lacticínios, gelatina e mel). Não são consumidos, até mesmo produtos que recorrem à exploração da força animal para a fabricação.

Ovo-lacto-vegetarianismo

Os adeptos não consomem carne vermelha e tão menos carne branca. Entretanto, além dos alimentos de origem vegetal as pessoas comem ovos e lacticínios.

Ovo-vegetarianismo

É uma variação de ovo-lacto-vegetarianismo, todavia, nessa dieta são acrescentados aos alimentos de origem vegetal apenas os ovos.

Lacto-vegetarianismo

Esta subnomenclatura retira da dieta os ovos e acrescenta os produtos lacticínios: leite, queijo, iogurtes e etc.

Pesco-vegetarianismo

Nessa dieta é permitido o consumo de peixes e frutos do mar.

Semivegetarianismo

É adicionada a dieta os alimentos: carnes de aves, carnes de peixes, ovos, leite e os seus derivados, além das frutas, leguminosas, vegetais e cereais.

Crudivorismo

Os seguidores dessa dieta não cozinham os alimentos, pois acreditam que o processo de cozimento faz com eles percam uma boa quantidade dos seus nutrientes. Portanto, apenas os consomem crus.

Frugivorismo

Essa vertente alimenta-se apenas de frutas e sementes. É excluído da dieta todas as verduras, tubérculos e legumes que para a sua extração se faz necessário a morte da planta. Exemplo: Alface.

Os benefícios de uma vida vegetariana

Além do aumento do consumo e diversidade de frutas e vegetais, esse estilo de vida proporciona a ingestão de fibras, vitaminas, minerais, aminoácidos e antioxidantes. Adquirindo menor probabilidade para desenvolver:

“Dados científicos indicam relações positivas entre dieta vegetariana e a redução do risco de várias doenças e condições degenerativas, como a obesidade, doença arterial coronariana, hipertensão, diabete mellitus e alguns tipos de câncer.”

-Isabel Jereissati, Nutricionista.

Os malefícios de uma vida vegetariana

Quando não ocorre uma dieta rica e equilibrada, o organismo não consegue receber alguns nutrientes que necessita, podendo ocasionar carências. Algumas proteínas, o ferro, o zinco, vitamina B12, o cálcio e as vitaminas A e D devem ser buscadas em alimentos substitutos ou por intermédio de um complemento alimentar.

O fato de não consumir carnes não é uma “carta branca” para o consumo de alimentos com baixo teor nutritivo. Cuide da sua saúde. Não substitua as carnes por alimentos “junk food.

Planejamento da dieta

planejamento-alimentar
O planejamento é de suma importância para manter a sua dieta alimentar.

Para se iniciar uma vida vegetariana é necessário o planejamento e adquirir o hábito por buscar sempre novos alimentos com o objetivo de cada vez mais enriquecer a dieta. Veja alguns produtos essenciais:

Frutas, vegetais e legumes

Tenha um lema em sua mente: quanto mais frutas, vegetais e legumes você consumir mais rica será a sua dieta e você estará menos propensa a sofrer com falta de substâncias essenciais para o corpo! As frutas são aliadas para a obtenção de inúmeras vitaminas, isso já é recorrente para todos, o que poucas pessoas que estão no processo de transição da dieta ainda pouco pratica é ter sempre a disposição uma fruta de consumo rápido e prático. Esse comportamento é funcional nas ocasiões onde a recaída está presente. Não se esqueça das frutas cítricas, pois além de serem riquíssimas em vitamina C, elas contribuem no processo de absorção de outros nutrientes, por exemplo: o ferro. Você pode variar através de conservas ou do congelamento.

Alguns vegetais serão primordiais para a sua empreitada são eles: as couves, as acelgas e os espinafres, pois eles são excelentes fontes de ferro e cálcio. Os tubérculos e os legumes além de possuírem vitaminas e proteínas, eles podem proporcionar carboidrato fundamental para a energia do corpo.

tratamento-natural-para-menopausa

Soja

A soja é um ingrediente chave para os vegetarianos! Devido a sua flexibilidade, através desse alimento é possível se obter inúmeros pratos e produtos. Se você fará parte da filosofia do vegetarianismo pesquisa sobre os benefícios da soja.

Grãos

Esses alimentos garantirão a diversidade dos sabores e dos seus pratos. Contribuindo para a quebra de uma dieta monótona e repetitiva. Você pode alternar o consumo dos tipos de arroz por exemplo. Quanto mais prazer você sentir ao se alimentar maior será a sua readequação aos novos costumes e estilo de vida.

Leguminosas

Ricas em fibras e proteínas elas serão a base para a sua refeição. Um bom exemplo é o feijão, acompanhante de suma importância para qualquer prato. Você pode alternar o consumo do feijão através de: grão-de-bico, lentilhas, ervilhas ou favas.

Frutos secos e sementes

Além de ser uma opção de lanches rápidos os frutos secos e a sementes são ótimos ingredientes para receitas criativas e ousadas! Hoje é possível encontrar lojas especializadas na venda desses tipos de alimentos. Todo adepto do vegetarianismo deve visitar uma dessas lojas e constatar o mundo de possibilidades que as sementes e os frutos secos oferecem.

Glúten

O glúten é muito procurado como substituto para a carne. Por mais que algumas pessoas o considerem como um vilão, devido a sua polivalência esse pode proporcionar inúmeras receitas inusitadas que farão você matar a saudade daquelas comidinhas de outrora. E o melhor mantendo a sua dieta vegetariana.

Adquirindo novos hábitos alimentares

Os especialistas indicam uma mudança gradativa para quem deseja se tornar um vegetariano. O importante é você jamais abrir mão de sua saúde.

Procure um nutricionista para que essa mudança seja acompanhada e seja respaldada com base científica. O acompanhamento médico também se faz necessário para acompanhar como o seu corpo está reagindo a nova dieta alimentar. Principalmente os índices de vitaminas e proteínas no organismo.

Com o intuito de fortalecer cada vez mais as suas convicções, você pode optar por conhecer restaurantes vegetarianos é uma maneira de experimentar cada vez mais alimentos que possam fazer parte do seu cotidiano. Outra sugestão é você solicitar a alteração de determinados ingredientes por algum outro do tipo vegetal nos restaurantes que você frequenta.

Atenção! Se tornar um vegetariano é se autodeclarar um autodidata sobre os alimentos de origem vegetal. Procura sites, blogs, revistas e livros que abordem sobre essa filosofia. Procurar grupos de apoio online e off-line também é uma boa saída! Você encontrará ajuda e força para seguir no seu ideal.

Você já alterou a sua dieta alimentar? Essa atitude alterou o seu estilo de vida? Diga-nos como foi a sua experiência.

Deixe um comentário
Print Friendly, PDF & Email

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui