Infarto fulminante – A menopausa pode ser um fator de risco!

Compartilhe
infarto-fulminante

Saiba identificar os sinais do infarto fulminante. Às vezes o nosso corpo sinaliza que algo não está bem! Todavia, podemos deixar passar despercebido o alerta, negligenciando a comunicação e o pior pode vir acontecer. Um infarto fulminante pode ocorrer e, o que há de mais trágico: pode não dar tempo de prestar o socorro devido.

“Infarto fulminante é um termo criado justamente para designar o infarto agudo do miocárdio, ou seja, quando o indivíduo não consegue atendimento rápido e emergencial e morre antes de chegar ao hospital. Nesses casos, há uma obstrução no início da coronária, na região do tronco onde nascem as artérias.”

– Dr. Marcelo Cantarelli, Cardiologista.

Infarto é o nome que os especialistas atribuem a morte (necrose) de um tecido, morte decorrente da falta de circulação sanguínea na região, que com isso, gera a incapacidade do órgão realizar as suas funções.

“Qualquer célula do nosso corpo precisa de sangue para viver; quando uma artéria sofre uma súbita obstrução do fluxo sanguíneo, os tecidos nutridos pela mesma sofrem isquemia e necrose. A esta morte de um tecido damos o nome de infarto. Um infarto pode ocorrer no cérebro, rim, pulmão ou qualquer outro órgão do corpo. Infarto do coração, ou infarto do miocárdio, portanto, significa morte das células musculares do coração (chamadas de miocárdio), por falta de suprimento sanguíneo.”

-Dr. Pedro Pinheiro.

reposicao-hormonal

Causas

A causa principal que desencadeia a necrose do tecido cardíaco, é a falta súbita de irrigação sanguínea, resultado de um bloqueio (obstrução) da artéria coronária e, de suas ramificações por um coágulo e por placas de gordura. Os fatores abaixo podem colaborar com a obstrução das artérias:

Causas do infarto fulminante na mulher

O infarto na mulher pode surgir dez anos após o da população masculina. Além das causas clássicas apresentadas acima, deve-se acrescentar os fatores de riscos abaixo para o público feminino abaixo:

“O infarto na mulher tende a se manifestar na fase de menopausa, porque é neste período que o seu corpo faz diminuir hormônio estrogênio, o qual possui função vasodilatadora, evitando o acúmulo do colesterol ruim e facilitando o colesterol bom.”

-Fortíssima, blog de saúde.

Sintomas

Os sintomas são um verdadeiro ponto de atenção, pois quase sempre são negligenciados, ou são associados a outras moléstias. Os especialistas informam que, quase sempre essa sinalização ocorre algumas semanas antes do episodio, entretanto, não é vinculado ao infarto fulminante. Portanto, as pessoas que estão sentindo algum dos sinais, deve procurar um médico imediatamente e solicitar uma avaliação da saúde do coração e de suas artérias. Os sintomas que precedem a necrose do tecido são:

  • Falta de ar;
  • Cansaço com suor frio;
  • Angina;
  • Sensação de peso ou queimação no peito ou nas costas;
  • Dor ou formigamento no braço e/ou cotovelo;
  • Dor na mandíbula, garganta, queixo e/ou no pescoço;
  • Fadiga;
  • Batimentos cardíacos irregulares;
  • Enjoos, dores no estômago e mal-estar;
  • Pressão incomum atrás da orelha ou dores nos lóbulos das orelhas.

“O coração é uma órgão tridimensional. Ele está apoiado sobre o diafragma, portanto, situa-se um pouquinho na parte de trás e na da frente do tórax. Dependendo da parede do coração que sofre o infarto (da frente, de baixo, de trás), o sintoma pode ser diferente.”

– Dr. Marcelo Cantarelli, Cardiologista.

 Sintomas do infarto fulminante no corpo feminino

infarto-fulminante

Sim, a sinalização no corpo da mulher ocorre de maneira distinta. Quase sempre ele ocorre de maneira ainda mais silenciosa, bem como, os sinais mais clássicos podem não ocorrer levando para um diagnóstico discrepante.

Tratamento

Quando uma pessoa sofre um infarto fulminante, ela possui poucos minutos até a morte súbita. Portanto, o desfibrilador  deve ser usado na vítima o quanto antes, por isso, que quase sempre quando ocorre esse processo na casa, a pessoa entra em óbito, pois não há tempo suficiente para prestar socorro.

Quando a pessoa consegue chegar até o pronto-socorro, os especialistas administraram alguns medicamentos para que a circulação sanguínea possa correr novamente, assim como, é feito um procedimento para proporcionar a desobstrução da passagem para o sangue.

A pessoa também precisar recorrer a uma reabilitação da capacidade física. Através do respaldo de um fisioterapeuta são elaboradas novas perspectivas de hábitos e condutas.

Prevenção

A prevenção como em qualquer outra doença cardíaca perpassa na extinção de hábitos nocivos a saúde, bem como, a implementação de uma rotina com comportamentos mais saudáveis. Uma alimentação rica em alimentos benéficos para a saúde, assim como, a inclusão de atividades físicas.

Os hábitos nocivos são os fatores de riscos que contribuem para o entupimento ou estreitamento das artérias, portanto, implante na sua vida as seguintes condutas:

A melhor maneira de evitar um infarto fulminante lutar por recursos e condutas que possam prevenir, pois talvez não haja chances e muito menos possibilidades para remediar! Cuide-se!

Gostou? Então deixe o seu comentário. Participe.

Deixe um comentário
Print Friendly, PDF & Email

2 COMENTÁRIOS

  1. Tenho 53anos e faço reposicão hormonal bioidêntico a três meses. Faço academia,alimento bem sem frituras e gorduras. Mas meu colesterol lol deu 162. Um pouco alto né. Mas essa é a herança do meu pai infelizmente. Mas gostei mto da informação. Será q fazendo a reposicão meu colesterol diminui? Obrigada

    • Olá Claudia! O estrogênio no corpo feminino é fundamental para o equilíbrio dos níveis de colesterol, sendo assim a reposição hormonal pode ajudar sim a diminuir o colesterol ruim. Mas cuidado! O uso prolongado da reposição pode trazer outros riscos a saúde como você pode conferir na matéria: https://goo.gl/1x6yVm – Beijos!

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui