Autocontrole: como obter o equilíbrio?

Compartilhe
Aprenda a desenvolver o autocontrole.

Tomar as rédeas das emoções e dos comportamentos é o desejo de qualquer pessoa não é mesmo? Mas como obter o autocontrole? De que maneira é possível exercer essa habilidade? Quais são os gatilhos que fazem uma pessoa perder o controle? Você está interessada no assunto? Então, continue conosco!

O que é autocontrole?

Autocontrole é a habilidade de decisão e gestão, que nós temos diante de algumas situações que demandam equilíbrio e discernimento. Vale ressaltar que todas as nossas ações são determinadas com base em escolhas. Portanto, qualquer decisão levará para uma escolha. As escolhas podem ser de caráter realista ou embasado nas tentações.

A escolha realista

A escolha realista é pautada no que é melhor para nós, esse tipo de escolha é proporcional as nossas condições. Nós sempre sabemos qual é a melhor escolha que não causará danos (ou o mínimo possível).

As tentações

As tentações estão alocadas em nosso lado instintivo. Fazem parte da necessidade de se obter a solução mais rápida, imediata e prazerosa. Esse lado está muito atrelado com as nossas emoções. O problema é que as nossas expectativas emocionais diante de alguma coisa, às vezes pode tumultuar os nossos pensamentos, deixando o nosso discernimento comprometido.

autocontrole-das-emocoes-e-comportamentos

A nossa falta de autocontrole ocorre, pois fica o nosso lado racional dizendo o que é necessário, o que é bom, o que seria bom até mesmo em longo prazo, em contrapartida, o nosso lado instintivo solicita soluções mais imediatas e prazerosas. São duas instâncias que disputam dentro de nós a realização ou não de determinados desejos.

Freud e as instâncias psíquicas

Freud em sua segunda tópica divagou sobre três instâncias psíquicas que gladiavam em prol da satisfação de seus próprios ideais (desejos). São eles o Id, Ego e o Superego.

O id é a instância psíquica responsável pelos instintos, não há razão – é apenas emoção. Está muito ligado aos nossos comportamentos mais primitivos. As crianças nascem apenas resguardadas pelo o id.

O Ego é a parte do id que obteve contato com o externo. Através do contato com o “outro” se constituiu o ego. O ego é o administrador dos nossos desejos, é ele que determina qual o desejo que pode ou não ser satisfeito, e quando isso ocorrerá.

O superego está vinculado à estima. É o que é esperado de nós. Está fortemente vinculado com a culturalização. O superego é responsável pela moral. Portanto, ele está em completo atrito com a instância id. Mas se engana, quem acha que o id é o “demônio” e o superego o “anjinho”,  que normalmente aparecem em ilustrações, desenhos animados entre outros.

Como já dizia a cantora Sandra de Sá: ninguém aqui é puro anjo ou demônio. Nem sempre os desejos do id serão tão fúteis e destrutivos que deverão ser banidos e controlados com mão de ferro pelo ego, nem tão menos, toda a pressão do superego será sadia para a mente e será uma postura racional. O correto é encontrar a justa medida. Ou seja, o ego precisa controlar as pulsões do id e a pressões do superego. Está complexo? Veja um exemplo bem simples:

Você está morta de desejo (id) de comer um bolo de prestígio (bem recheado e cremoso), todavia, é uma segunda-feira – dia de retomar o regime, pois você pretende perder alguns quilos (superego), portanto, você precisa manter o controle e optar por aquilo que é melhor (ego).

Através do autocontrole você pode determinar que não vai comer o bolo em plena segunda-feira, mas que no sábado que é o dia que é permitido comer algo mais calórico, você irá satisfazer o seu desejo de devorar um bolo de prestígio.

Deixando o controle para o instinto

É muito comum deixarmos o nosso controle aos cuidados dos instintos, entregando-se a pura sorte e aos caprichos momentâneos. Deixamos de racionalizar as nossas atitudes e comportamentos e colocamos a frente de tudo: a emoção.

E ser emocional é errado? Não, não é errado! Entretanto, precisamos encontrar o equilíbrio entre o instinto e a razão. Lembre-se o excesso é prejudicial. O adequado é encontrar a justa medida.

autocontrole-das-emocoes-e-comportamentos
É necessário encontrar o equilíbrio entre a razão e a emoção.

O autoconhecimento leva ao autocontrole

Como se obter o autocontrole? Não adiante recorrer a técnicas imediatistas que irão apenas funcionar como ações de placebo. O correto é buscar o autoconhecimento, pois você terá um maior engajamento nas ações, terá a percepção de seus desejos, atitudes e comportamentos. Você saberá identificar os mecanismos que acionam o gatilho para a perda do controle.

Por exemplo: você está tentando economizar certa quantia, pois pretende fazer uma viagem para a Europa. Entretanto, você volta e meia, acaba se entregando ao comportamento de comprar compulsivamente. Como economizar desse jeito? O autoconhecimento pode te ajudar. Primeiro faça uma reflexão dos gatilhos que te levam ao comportamento de compra. (exemplo: ansiedade, frustração, angústia e etc.).

Após identificar os seus gatilhos, determine um plano de ação para obter o controle dos seus comportamentos.

Exemplo para o gatilho ansiedade:

Você está aguardando um resultado que tanto você lutou para adquirir ou conquistar. E essa atmosfera está te deixando ansiosa? Calma! Não saia comprando tudo! Racionalize! No primeiro momento é importante você abaixar a frequência da ansiedade. Portanto, faça algum exercício físico para direcionar a sua atenção para outro foco.

Nem pense em espairecer no shopping! Será uma zona de perigo! O seu autocontrole estará fraco e sem revestimento para resistir. Após fazer o exercício e, abaixar a densidade da ansiedade, respire fundo e mentalize o quanto o comportamento de comprar compulsivamente não irá te trazer benefícios ao longo prazo.

Imagine o quanto esse dinheiro pode colaborar com você em outras ações. Leve-se a sério! Questione o seu desejo momentâneo! Traga fatos que desmotive essa tentação vinculada à ansiedade. Você pode escrever dez motivos para não comprar determinada coisa.

Através do autoconhecimento você terá discernimento do que te coloca em estado de autosabotamento e, você será capaz de driblar as tentações e obter o autocontrole.

Uma forma de se adquirir o autoconhecimento é através da terapia. Você pode recorrer ao suporte terapêutico de um psicólogo para buscar o entendimento de seus comportamentos e atitudes, bem como, entender os seus sentimentos e emoções.

seu-futuro-sem-os-sintomas-na-menopausa

Engane a sua mente!

O que é planejado para longo prazo não desperta tanta satisfação, como o que é alcançado em curto prazo!

Saber que você está economizando dinheiro hoje, pois terá em sua conta o dobro do que você teve ontem, é mais motivador do que saber que você está poupando hoje, pois daqui a cinco anos você irá comprar um carro (acredite). Fique contente em cada casa que você alcançar no tabuleiro, não espere só apenas chegar ao destino final para celebrar. A nossa mente busca a satisfação imediata! Portanto, alimente-a (enganando-a evidentemente).

Como manter o autocontrole quando se está com raiva?

autocontrole-das-emocoes-e-comportamentos
Normalmente as pessoas falam que a raiva é a emoção mais difícil de controlar.

Se existe uma emoção que nos faz perder o autocontrole, essa emoção é raiva. Quem nunca jogou o equilíbrio para plutão quando se viu em uma situação que desencadeou raiva? O que fazer? É simples! Libere a raiva, solte a emoção que está imersa em sua pele. Coloque para fora!

Não, não é loucura! Sim, a matéria é sobre autocontrole e, estamos mandando extrapolar a raiva? Sim, entretanto, calma! Não é para você sair por ai discutindo e brigando com meio mundo, e xingando a outra metade!

É para você descarregar a carga emotiva em outra atividade, por exemplo, em um esporte, em uma atividade artística, no trabalho em fim, em uma atividade que demanda força mental para execução. E tenha certeza, com o combustível da raiva você fará coisas incríveis.

E quando a raiva subir a cabeça (não perca o autocontrole) respire fundo e agradeça (mentalmente) por terem despertado essa emoção em você, pois agora você terá combustível para fazer as suas atividades com mais força e garra.

A meditação em prol do autocontrole

A meditação é um ótimo exercício para quem deseja adquirir o autocontrole. Através da técnica de respiração, esvaziamento da mente e outras habilidades, os especialistas informam que é possível adquirir o autocontrole.

A meditação permite que você nomeie as emoções e possa reconhecê-las, bem como, você obterá o seu autoconhecimento – fatores fundamentais para o autocontrole.

E ai, você tem autocontrole? Comente quais são as suas técnicas para manter o equilíbrio em sua vida.

Deixe um comentário
Print Friendly, PDF & Email

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui