Como superar a falta de libido na menopausa

Compartilhe
falta-de-libido

A menopausa é um fenômeno natural que ocorre pela diminuição da produção de hormônios. Sem dúvidas, é uma das fases mais temidas na vida de muitas mulheres, afinal, sintomas desagradáveis costumam acompanhá-la, como a falta de libido.

Outros sintomas mais comuns da menopausa são ondas repentinas de calor, insônia, ressecamento da pele, unhas quebradiças, irritabilidade, ganho de peso e secura vaginal.

Muitas mulheres se envergonham com a baixa libido e, embora seja algo natural do processo, essa questão ainda incomoda muitos casais maduros. Se você está sofrendo por conta disso, respire fundo e não se desespere: o problema tem solução. Confira a seguir as melhores dicas para superar a falta de libido na menopausa!

Como se caracteriza a falta de libido na menopausa?

Os sintomas da menopausa estão ligados, principalmente, às inúmeras alterações hormonais que ocorrem nesta fase. Ginecologistas e endocrinologistas concordam que a falta de libido que acomete as mulheres durante esse período da vida também é proveniente da ação dos hormônios. Além disso, é comum que a mulher que atravessa a menopausa sinta-se menos confiante e à vontade quando o assunto é sua própria sexualidade.

Quais são os principais sintomas?

Os principais sintomas da falta de libido durante a menopausa são:

  • Desinteresse no ato sexual;
  • Frustração e/ou irritação;
  • Dificuldade de sentir-se excitada, mesmo quando estimulada;
  • Secura vaginal;
  • Dor ou desconforto durante o ato sexual;
  • Incapacidade de atingir o orgasmo;
  • Fadiga excessiva;
  • Sensibilidade nos seios.

Se você está experimentando alguns dos problemas citados acima, descubra a seguir formas simples de contornar essas dificuldades e manter sua vida sexual em alta.

Como superar a baixa libido feminina?

O desinteresse que você está sentindo agora pelo sexo tem base fisiológica, claro, mas você já parou para pensar sobre outros fatores que podem estar contribuindo com essa situação? Ao passar do tempo, a rotina acaba mesmo tomando conta de muitos relacionamentos e leva as coisas a “esfriarem” no casamento.

Essa situação, que por si só dificulta uma vida sexual prazerosa e recompensadora, se agrava ainda mais pela queda dos níveis hormonais típicas da menopausa.

Mas tudo tem jeito. Identificado o problema, é hora de correr atrás das possíveis soluções. O primeiro passo você já deu: está buscando informações sobre como aumentar a libido na menopausa. Isso mostra seu empenho em conhecer as possibilidades de voltar a ter — e dar — prazer.

Para mostrar a você que essa retomada é 100% possível, apresentamos a seguir 8 excelentes táticas para turbinar seu desejo. Acompanhe-as com atenção!

falta-de-libido

1. Cuide da sua aparência

Alimentar a autoestima é atitude fundamental para superar a falta de libido na menopausa. Por isso, valorize-se — afinal, não dá para ter uma relação gostosa quando se está insegura quanto à própria imagem e capacidade de despertar interesse no outro.

Incrementar o visual pode ajudar, e muito, a aumentar seu amor próprio e afugentar o desinteresse sexual.  Então, atente-se às alternativas: elas são muitas. Decida pelas que mais se encaixam no seu perfil e fique ainda mais bonita! E não deixe de incluir em seu cotidiano os seguintes cuidados:

Com os cabelos

Fazer um corte novo, mais moderno, que valorize seu rosto e até o rejuvenesça é um bom jeito de começar a dar mais atenção à aparência. Mudar a cor das madeixas, ou apenas o tom, também ajuda a dar aquela repaginada e se sentir mais bonita e sedutora.

Com a maquiagem

Para quem já usa maquiagem no dia a dia, a dica fica por conta de variar seu estilo. Quando se trata de elevar a autoestima, renovar a imagem refletida no espelho tende a dar muito certo.

Ainda que você saiba tudo sobre o assunto, um curso de automaquiagem pode te inspirar e colocar a par das novas tendências. E falta de tempo não é desculpa: há cursos a distância que facilitam bastante a aprendizagem de novos estilos e técnicas.

Caso você não costume utilizar os recursos de cores e produtos para dar aquele up na imagem, pode ser esse o momento certo de rever seus hábitos. Experimente! Afinal, toda tentativa é válida para ganhar mais autoconfiança e elevar a estima.

Com a depilação

Estar com a pele lisinha deixa a mulher mais segura na hora do sexo. Por isso, escolha um método de depilação e se dê esse presente — com especial atenção à depilação intima, já que ela vai te deixar mais sedutora e pronta para as horas de amor.

Com a forma de se vestir

Se o seu corpo mudou em função da menopausa, nada de andar por aí mal vestida: invista em si mesma e repagine o armário! Compre peças novas, que vistam bem e te deixem atraente.

E nada de se apegar a antigos estilos: remodelar o jeito de se vestir é uma maneira de entrar em sintonia com o que é atual. Se o dinheiro anda curto, a solução pode estar nos brechós, que estão em alta!

Com a região íntima

Você sabia que existem exercícios específicos para aumentar a saúde íntima e a intensidade do prazer nas relações sexuais? Vale descobrir quais são e começar logo a praticá-los.

Abaixo, uma dica quente!

Pompoarismo

Baseado nos movimentos de contração e relaxamento dos músculos da vagina, os movimentos do pompoar melhoram a saúde, além de contribuir para tornar o sexo mais sensual e erótico.

Esse tipo de ginástica íntima traz ainda outros ganhos significativos, permitindo um maior controle sobre os músculos vaginais e evitando, assim, a flacidez da região.

Mais um resultado desse exercício é potencializar o prazer de ambos os parceiros durante a relação sexual.

Com movimentos que envolvem o corpo todo, porém com foco na região genital, a técnica estimula o autoconhecimento, já que para executá-la é preciso identificar a musculatura a ser trabalhada.

Para isso, além de tocar a região genital, é recomendado visualizá-la com o auxílio de um espelho. A partir daí, a técnica consiste em contrair e relaxar a vagina, lembrando sempre de esvaziar a bexiga antes de exercitar-se.

Esse é apenas um dos muitos exercícios de pompoar. Outras alternativas incluem, ainda, práticas posturais e podem ser realizadas com ou sem acessórios.

2. Coloque mais sexo na sua vida

Com tantas preocupações cotidianas, o sexo acaba sendo deixado de lado e assume um lugar de menor importância na vida da mulher. Essa situação é ainda mais perigosa na menopausa, pois abandonar pensamentos e práticas sexuais nessa fase da vida pode resultar no término definitivo do desejo.

Perceba que isso tende a acontecer de forma sutil: basta se descuidar e lá se vão semanas e até meses sem fazer amor com o parceiro. Se você não está disposta a deixar espaço para essa situação, coloque mais sexo na sua vida quanto antes.

Nos dias atuais, essa não é tarefa das mais difíceis. Os recursos da mulher que escolhe se manter sexualmente ativa são inúmeros, basta encontrar o que realmente te estimula.

Algumas das opções são vídeos eróticos, literatura erótica e, é claro, a masturbação. E por falar nela, o próximo tópico é todinho sobre esse assunto!

3. Tenha momentos de autoconhecimento

Não é eufemismo, não! Autoconhecimento, neste contexto, é voltado à sexualidade, portanto, nada mais apropriado do que citar a masturbação como método para conhecer — e estimular — seu corpo.

Os benefícios da masturbação na fase em que a menstruação cessou — ou está prestes a cessar — são diversos. Só para começar, a masturbação alivia o estresse, o que já é muita coisa!

Mas os ganhos com a prática, que contribui significativamente para o bem estar geral da mulher e também joga a favor do sexo na menopausa, não param aí. Eles incluem:

Diminuição da incontinência

Chegar ao orgasmo ajuda a manter a elasticidade do canal vaginal e fortalece a musculatura da região pélvica. Isso resulta em órgãos internos corretamente posicionados — inclusive a bexiga — e menores chances de desenvolver incontinência urinária.

Prevenção de infecções ginecológicas

Junto com o muco cervical eliminado durante o orgasmo, são eliminadas bactérias patogênicas que têm potencial de provocar infecções.

Aumento da libido

Ao se masturbar, a mulher vive uma experiência prazerosa, que ela mesma conduz da forma que quiser. Com isso, aumenta o conforto em relação ao seu próprio corpo e autoimagem, e a libido acompanha esse aumento.

Manutenção da vitalidade dos tecidos vaginais

Quanto maior o nível de atividade e estimulação da região vaginal, maior será a irrigação sanguínea nessa área do corpo — e, consequentemente, por mais tempo se manterá a vitalidade desses tecidos.

A masturbação ainda:

  • Produz endorfinas;
  • Aumenta a sensibilidade ao prazer sexual;
  • Eleva a consciência corporal;
  • Fortalece o sistema imunológico;
  • Reduz a insônia;
  • Melhora a vida sexual do casal, na medida em que a mulher explora suas zonas erógenas e leva as descobertas para a vida a dois.

4. Use lubrificante íntimo

Cada etapa da vida possui suas especificidades, e a menopausa não é diferente. Levar isso em consideração é essencial para continuar vivenciando todo o prazer que o sexo é capaz de proporcionar.

Assim, assuma sua condição madura e não deixe nada te abalar. Se a lubrificação vaginal não está lá essas coisas, faça uma visita à farmácia — ou ao sex shop — e escolha um lubrificante íntimo.

falta-de-libido

Vale ressaltar que o lubrificante tem a função básica de diminuir o atrito durante a relação sexual ou a masturbação, evitando a ocorrência de lesões ou ardências.

Há lubrificantes:

  • À base de água — esse tipo de produto não causa alergia nem mancha tecidos, porém é pouco viscoso, o que o torna menos eficiente que outros com a mesma finalidade;
  • À base de silicone — tornam o toque mais suave, pois são bastante espessos. Sua ação é duradoura, mantendo efeito até na água. No entanto, não são hipoalergênicos e retirá-los da pele acaba sendo mais difícil;
  • À base de óleo — praticamente não se encontra mais essa modalidade de lubrificantes, pois têm efeitos nocivos à saúde. Eles permanecem na vagina por dias e abrem caminho para a proliferação de bactérias prejudiciais. Também comprometem a integridade do látex dos preservativos, favorecendo a contaminação por DSTs e a ocorrência de gravidez.

5. Fale sobre sexo com seu parceiro

Converse o máximo possível com o seu parceiro. Busque sempre diálogos sinceros e abertos, nos quais cada um encontre acolhimento para expor suas dificuldades e incertezas. O sexo do casal ganha com isso, pois a cumplicidade aproxima os parceiros.

Sua libido também vai se potencializar à medida que o sexo estiver entre os assuntos frequentes do casal. Você pode propor uma rotina de conversas sobre temas sexuais: estabelecer um canal de comunicação sobre esse importante aspecto será um eficiente afrodisíaco.

Pense em como isso pode mudar para melhor a vida de ambos. Afinal, mudanças ocorrem o tempo todo, e afetam o corpo e a mente de todos os casais. É preciso, então, ter abertura para conversar e buscar soluções para novos contextos.

E o contexto que você está vivendo agora envolve contornar as dificuldades e ter sexo na menopausa com a mesma qualidade — ou mais, até — do que antes. Aumentar o apetite sexual passa a ser um objetivo do casal, e não só seu, a partir do momento em que você compartilha essa necessidade com o seu companheiro.

O que nos leva ao assunto seguinte, que se refere a convidar o parceiro a sofisticar ao máximo as preliminares sexuais!

6. Aposte nas preliminares

Em uma fase que pode — e deve! — incluir sexo e prazer, chamar o parceiro para caprichadas preliminares vai fazer com que ambos fiquem mais felizes e satisfeitos. Por isso, não se acanhe: engaje-o na busca pelo desejo e por uma vida sexual mais ativa!

Tanto você quanto ele precisam investir nessa ideia, para que o sexo fique cada vez melhor e os dois saiam ganhando. Juntos, vocês perceberão que existem muitos modos de esquentar as preliminares e dedicar mais tempo ao prazer: só depende do casal eleger as que mais lhe agradar.

A título de sugestão, reunimos algumas preliminares que comprovam que o melhor da festa é prepará-la. Confira!

  • Preparar o ambiente — criar um clima é a mais básica das preliminares, incluindo músicas, aromas, alimentos e outros estimulantes do apetite sexual;
  • Massagem — ela vai deixar ambos os parceiros bem relaxados para o que vem depois. E cada toque, além de relaxar, acaba ganhando um forte apelo erótico;
  • Trocar carícias — muitas, mas muitas carícias, por um longo tempo. Esse “trabalho” pode durar o quanto vocês quiserem e como quiserem, usando como apoio filmes ou vídeos eróticos, e envolvendo mãos, lábios, línguas, acessórios, brinquedos e tudo o mais que couber na imaginação dos dois.

E lembre-se da importância de reservar sempre um lugar especial em sua agenda para aproveitar os momentos a dois. Essa medida vai garantir que as ações acima sugeridas tenham espaço garantido para acontecer.

Caso contrário, a correria do dia a dia, associada à baixa libido feminina, pode ocasionar perdas irreparáveis ao casamento.

7. Faça dos afrodisíacos naturais seus aliados

Em outro momento, falamos sobre os alimentos que aumenta a libido. Agora, vamos focar nas ervas e afrodisíacos naturais, uma boa maneira de driblar a baixa libido na menopausa. Isso porque esses produtos estimulam o corpo de maneira a aumentar a disposição para o sexo, sem grande incidência de efeitos colaterais.

Entre alimentos, bebidas, fragrâncias e perfumes, há uma ampla gama de afrodisíacos. Escolhemos alguns por possuírem substâncias comprovadas como eficientes na melhora do apetite sexual e os apresentamos a seguir. Veja abaixo quais são eles:

Ginseng

Raiz medicinal largamente utilizada na medicina chinesa, o Ginseng possui várias propriedades terapêuticas — entre elas, a de potencializar o desejo sexual. Isso porque possui efeito vasodilatador, aumentando a irrigação sanguínea. Essa ação contribui para aumentar a sensibilidade na área do clitóris e a lubrificação vaginal, e, em consequência disso, incrementar a disposição da mulher para o sexo.

Açafrão

Batizado pela ciência como Curcuma longa, o açafrão aumenta a sensibilidade das zonas erógenas, o que lhe confere o status de poderoso estimulante e afrodisíaco. Isso em razão de induzir a produção de óxido nítrico, substância que favorece a circulação do sangue e aumenta a excitação e lubrificação feminina.

Iombina

A substância extraída da casca da Yohimbe — árvore nativa da África — chama-se iombina e é um poderoso vasodilatador natural. Com sua ação, promove a expansão dos vasos sanguíneos presentes nos genitais, elevando a vontade e o prazer sexual.

Muitas outras substâncias encontradas na natureza ajudam no desempenho da sexualidade e favorecem o sexo na menopausa. Podemos citar, a título de complemento, mais 4 importantes auxiliares na manutenção da qualidade de vida feminina:

  • Óleo de prímula — importante no alívio dos sintomas da menopausa;
  • Óleo de linhaça — reduz os efeitos do envelhecimento;
  • Gérmen de soja — muito usado na produção natural de hormônios;
  • Ômegas 3 e 6 — contribuem para a saúde do coração, atuam contra a depressão e colaboram na produção de hormônios.

8. Utilize um tratamento natural para menopausa

Para quem quer ter muita disposição para o sexo — e a vida! — mas não pretende se ver às voltas com os efeitos colaterais decorrentes de terapias à base de produtos sintéticos, a alternativa mais eficaz é adotar um tratamento  natural.

tratamento-natural-para-menopausa

Esses tratamentos não acarretam males à saúde e combatem os sintomas desagradáveis do fim da etapa reprodutiva. Utilizar um composto assim é valioso! Com a saúde em dia, tudo fica muito melhor, inclusive o sexo.

Não é demais ressaltar que um tratamento natural para menopausa deve ser formulado com componentes reconhecidos pela sua eficácia. Preste muita atenção a esse fator quando for escolher suplementos e produtos para cuidar do seu corpo.

A dica complementar, aqui, é na verdade um alerta: muito cuidado com as terapias hormonais à base de produtos sintéticos. Elas são alvo de inúmeros questionamentos e dúvidas.

Entre os principais perigos envolvendo essas terapias podemos citar:

  • Aumento do risco para câncer endométrico e de mama;
  • Aumento na propensão para ocorrência de AVC;
  • Aumento da predisposição para desenvolver doenças do coração.

Mas os perigos não param por aí: retenção de líquidos, embolias pulmonares, náuseas, dores de cabeça e sensação de cansaço constante são referidos como outros efeitos indesejáveis das terapias de reposição hormonal.

Considerar tudo isso é vital para você, cujo objetivo é ter ganhos e não perdas nessa delicada etapa da vida.

Dicas extras para aumenta a libido na menopausa

Lembre-se de que o sexo não deve ser encarado como uma obrigação, mas como uma forma de prazer. Isso se aplica a qualquer fase da vida da mulher, inclusive durante o período da menopausa. É totalmente possível reverter a falta de desejo sexual e restaurar o prazer e intimidade na vida do casal.

Confira diferentes maneiras de fazer isso nas dicas abaixo:

  • Siga uma alimentação saudável, fazendo uso de gorduras boas como o ômega 3 e também de alimentos como soja, laticínios e proteínas, que estimulam a secreção de hormônios e diminuem os efeitos negativos da menopausa;
  • Encaixe a academia em sua rotina de compromissos: fazer isso é benefício na certa para sua vida sexual. Assim como o sedentarismo contribui para a baixa libido, praticar atividades físicas constantes aumenta o “pique” e a disposição para tudo, inclusive o sexo;
  • Incorpore técnicas de relaxamento à sua rotina, como pilates, meditação, alongamentos e massagens;
  • Busque formas efetivas de repor os hormônios perdidos nessa fase: existem tratamentos que ajudam nisso. Recomendamos os de origem natural, que trazem resultados positivos no combate à falta de libido, sem os efeitos colaterais dos tratamentos sintéticos. Seu ginecologista é figura importantíssima para te auxiliar com isso;
  • Pratique exercícios de Kegel para o fortalecimento dos músculos pélvicos, assim como os exercícios de estimulação sexual descritos no início do post.

A falta de libido na menopausa é muito comum para a maioria das mulheres. É preciso que o casal seja paciente e também que haja apoio do parceiro para que essa fase seja superada.

Você já passou por isso ou algo parecido? O que você fez para mudar essa situação? Se tiver alguma dúvida, deixe também seu comentário! A sua dúvida pode ser a mesma de várias outras mulheres.

ebook-sexo

Deixe um comentário
Print Friendly