Incontinência urinária: Você sofre desse problema?

Compartilhe
incontinencia-urinaria

A incontinência urinária é a perda involuntária de urina, e pode apresentar-se durante a menopausa em mulheres que não exercitam a musculatura pélvica, causando o enfraquecimento dos músculos esfincterianos.

O problema é comum e causa grande constrangimento, pois a pessoa perde a vontade de rir, sente-se incomodada pelo mau cheiro etc. Em alguns casos, ao espirrar ou tossir a urina sai, e em outros a vontade de urinar é tão intensa que não dá tempo de chegar ao banheiro. Esse problema chega a atingir 10 milhões de brasileiros com idades variadas, sendo muito mais comum em mulheres durante a menopausa.

Existem cinco tipos de incontinência urinária, desde estágios em que o líquido eliminado sai em pequena quantidade, até uma maior quantidade de urina.

Incontinência de esforço

Acontece quando a força muscular pélvica não é suficiente para segurar a urina, ou seja, ao tossir, rir, espirrar, fazer atividades físicas ou qualquer outra coisa que coloque a bexiga sob pressão, uma quantidade de urina sairá naturalmente.

Incontinência funcional

Ocorre quando a pessoa sabe a necessidade de urinar, porém está impossibilitada devido a alguma doença ou complicação que a impeça de ir ao banheiro na hora que precisa.

Incontinência de urgência

Neste caso, o desejo de urinar é tão forte que não se consegue nem chegar ao banheiro, isso pode acontecer até mesmo quando a quantidade de urina na bexiga é pequena.

Incontinência por transbordamento

A bexiga está sempre cheia, dessa forma ocorrem vazamentos constantemente, pode acontecer também quando a bexiga não é completamente esvaziada, levando ao gotejamento.

Incontinência mista

São casos em que os sintomas da incontinência podem ser mais de um.

A incontinência urinária pode ser tratada através de uso de medicamentos, fisioterapia, ou em alguns casos até mesmo cirurgia, dependendo da gravidade do problema. É importante que quando percebido algum desses sintomas, um médico seja procurado para poder orientar o tratamento ideal de acordo com cada problema.

Deixe um comentário
Print Friendly