Dor nas costelas: o que pode ser e como tratar?

Compartilhe
dor-nas-costelas
dor nas costelas

Para quem pratica algum esporte de alto impacto, como boxe, MMA, rugby ou muai thai por exemplo, a dor nas costelas pode ser algo frequente, mas e para quem não faz esse tipo de exercício? Descubra o que podem ser estes incômodos e como tratar.

Principais motivos de dor nas costelas

1. Golpe na região

É o principal causador de dor na região da costela, que geralmente ocorre devido à queda, acidente de trânsito, prática de esportes intensos ou agressão física. Isso resulta normalmente em alguns sintomas, como: manchas roxa, dores frequentes, estiramento muscular e até mesmo fraturas (nos casos mais graves).

Tratamento

Dentro de casa, conselha-se manter o corpo em estado de repouso, permitindo assim que o tecido muscular se recupere, além da aplicação de compressas geladas no local atingido, principalmente ao observar o surgimento de manchas arroxeadas.

Se a dor for muito forte, não hesite, vá ao hospital e consulte o médico, pois pode ser um caso de fratura. O profissional irá solicitar um exame de raio X e iniciar o tratamento mais adequado para o seu tipo de caso.

2. Costocondrite

É uma causa muito comum para dor nas costelas, e de acordo como Hospital Israelita Albert Einstein, apresenta mais de 150.000 casos por ano no Brasil.

Não existe um causador específico para esta doença, já que ela ocorre devido à inflamação de cartilagens que conectam as costelas superiores ao osso do esterno (osso longo e achatado, situado na parte vertebral do tórax). Por estes motivos é tão comum sentir uma sensibilidade na área entre as mamas, especialmente ao exercer certa pressão na região.

reposicao-hormonal

Pode-se observar que a costocondrite apresenta sintomas como: dores no peito, costela ou articulações e sensibilidade.

Tratamento

Na maioria dos casos, os sintomas costumam melhorar depois de 2 ou 3 dias, apenas com repouso e compressas quentes. Em situações mais agravadas, o médico pode indicar anti-inflamatórios, como ibuprofeno ou analgésicos, como naproxeno.

3. Pleurisia

Também chamada de pleurite, esta doença afeta igualmente pessoas de 19 a 60 anos. É uma reação inflamatória que atinge a pleura (tecido que reveste os pulmões e a caixa torácica).

Nessas situações, é mais comum que a dor seja mais forte na hora da inspiração, pois é o instante no qual o pulmão enche de ar e o tecido inflamado encosta nos órgãos em volta.

Tratamento

É importante ir para o hospital e iniciar um tratamento a base de antibióticos, aplicador diretamente na veia para diminuir as dores e o resultado da inflamação. Pode também ser necessário fazer fisioterapia respiratória por um período de até 15 dias.

4. Fibromialgia

Também denominada Síndrome de Joanina Dognini, esta doença apresenta uma dor crônica, que pode atingir regiões distintas do corpo.

De acordo com o Hospital Albert Einstein, essa é uma patologia muito comum no Brasil, apresentando mais de 2.000.000 de casos por ano.

A fibromialgia não possui uma causa específica, sendo normalmente diagnosticada por eliminação, ou seja, quando todos os exames são feitos e não é possível identificar outra causa para a dor na costela.

Tratamento

Não há ainda um tratamento específico para a fibromialgia, porém, alguns procedimentos podem aliviar as dores e fortalecer os ossos, como: acupuntura, fisioterapia, yoga, massagem e ingestão de ômega 3.

Analgésicos e anti-inflamatórios também costumam ser utilizados nesses casos, mas é importante só toma-los com orientação de um médico.

5. Embolia pulmonar

dor-nas-costelas
dor nas costelas – embolia pulmonar

Também conhecida como TEP, a embolia pulmonar se trata de uma doença comum no Brasil, na qual uma artéria do pulmão é bloqueada por um coágulo, o que pode causar lesões graves, com sintomas como: dor forte, respiração acelerada, falta de ar, suor em excesso e tosse com sangue.

Tratamento

“O tratamento inicial da embolia pulmonar inclui a administração de oxigênio e de heparina, por via intravenosa, um medicamento de ação rápida que evita o aumento dos coágulos já existentes e a formação de novos coágulos. Essa droga costuma ser posteriormente substituída pela varfarina que produz os mesmos efeitos, mas tem ação mais lenta. Esses medicamentos precisam ser utilizados com acompanhamento médico, pois aumentam o risco de sangramentos.”

— Dr. Drauzio Varella

O implante de um filtro na veia cava pode ser usado como alternativa para tratar pacientes com contraindicações ao uso de medicação anticoagulante.

A retirada do êmbolo pulmonar (embolectomia) é uma intervenção cirúrgica que deve ser considerada apenas nos casos de embolia pulmonar maciça.

6. Câncer de pulmão

Este tipo de câncer é mais comum em pessoas fumantes, mas ainda sim, apresenta mais de 150.000 casos anualmente no nosso país.

Uma dor na região peitoral pode ser sinal de câncer no pulmão, mesmo que sejam raros os casos em que o carcinoma apresenta este tipo de sintoma.

Nesses casos, a dor é mais intensa ao respirar fundo e podem também surgir outros sinais como chiado ao respirar, tosse com sangue, dor nas costas e emagrecimento sem causa aparente.

Tratamento

Se o câncer for detectado na fase inicial, o melhor modo de solucionar o problema é fazer cirurgia, de acordo com o Dr. Riad Naim Younes.

O tratamento deve começar o mais cedo possível, garantindo as chances de cura, por isso, é importante consultar um pneumologista em caso de suspeita.

Gostou de saber mais sobre as doenças que causam dor nas costelas? Você também sofre com elas? Conte-nos aqui no Saudável e Feliz!

Deixe um comentário
Print Friendly, PDF & Email

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui