Baixa autoestima masculina: como lidar com este problema?

Compartilhe
baixa-autoestima-masculina

A partir de uma idade, as responsabilidades cotidianas podem trazer uma carga emocional muito grande para a vida masculina. Além disso, os padrões de beleza impostos pela sociedade também podem exigir demais, como o “corpo sarado” ou os “cabelos perfeitos”, gerando uma culpa, que traz junto a ela uma sensação de inferioridade, derrubando a autoestima.

O que é a autoestima?

Segundo a Sociedade Brasileira de Inteligência Emocional, a autoestima é caracterizada pela autoavaliação, ou seja, o que você pensa referente a si mesmo, podendo ser positiva (autoaprovação) ou negativa (depreciação). De forma positiva, pode trazer muitos benefícios como a proteção da parte cardíaca, reforço do sistema imunológico, além da redução de inflamações. Já de forma negativa, propicia o desenvolvimento de doenças autoimunes, queda de cabelo, stress, gastrite, raiva, aumento da pressão arterial e até mesmo a depressão.

Características da baixa autoestima

Quem possui baixa autoestima geralmente tem uma visão negativa da vida e depreciativa de si mesmo, interpretando acontecimentos de maneira ruim, além de sofrer com a autocobrança excessiva. Algumas coisas podem desencadear a baixa autoestima ao longo da vida, como: padrões difíceis de serem alcançados, doenças físicas, traumas intensos, relacionamentos conturbados (ex: problemas com os colegas de trabalho, separação e falta de tempo com a família) bullying, falta de reconhecimento, etc.

Pessoas que sofrem com este problema geralmente são mais irritadas, angustiadas e tendem a ter ansiedade social. Veja abaixo os principais sinais do comportamento de quem tem baixa autoestima:

  • falta de autoconfiança;
  • sente-se culpado por tudo, as vezes até se sentindo perseguido pelo mundo;
  • falta de credibilidade em si próprio;
  • baixo rendimento devido à falta de confiança em si mesmo;
  • comodismo;
  • não criam objetivos de realização no trabalho, na vida pessoal e nos relacionamentos;
  • agressividade;
  • submissão;
  • falta de iniciativa, utilizando como desculpa a falta de tempo;
  • medo da falta de aprovação social;
  • tende a tirar conclusões sobre si baseado na opinião alheia;
  • perde oportunidades de expressar seu conhecimento devido à falta de confiança;
  • ciúmes excessivo;
  • nas relações amorosas, é muito comum a manipulação.

Bullying e Autoestima

baixa-autoestima

De acordo com a psicóloga infantil Marta Oliveira, o bullying é mais frequente em crianças do sexo masculino, tanto para quem é agressor quanto para quem é vítima, afetando negativamente a saúde psicológica dos garotos, consequentemente, propiciando um grande número de homens adultos com baixa autoestima.

Como aumentar a autoestima

É importante que a satisfação com a identidade seja alimentada desde a infância, pois o senso de segurança e aceitação num meio social podem ser peças chave para o bom desenvolvimento da autoestima, mas é claro, nem todas as pessoas possuem esta estrutura.

Se você passa por este momento de falta de autoconfiança, fique tranquilo, é possível recuperar a autoestima com passos simples e atitudes importantes.

Alimentação correta

Você já deve ter ouvido a frase: “você é o que você come”. É importante saber que um alimento não saudável pode impactar negativamente o seu humor e seus sentimentos, além é claro, de propiciar o desenvolvimento de doenças. Alimentos como pimenta, chocolate, ginseng e extrato de baunilha auxiliam na liberação de endorfina, o “hormônio da felicidade”, adicione no seu cardápio! Lembrando-se também de não descontar a ansiedade na comida, pois isto pode se tornar um ciclo vicioso, muito difícil de ser controlado depois.

Exercício físico

Isso mesmo, adeus sedentarismo! A boa forma não ajuda apenas na autoestima, mas também colabora muito com a saúde. Se você não tem muito tempo, pode optar por exercícios feitos em pequenos intervalos de tempo. Com isso, a internet pode ser sua grande aliada, já existem canais no Youtube específicos para você que quer se exercitar e vive lutando contra o relógio.

Faça algo que você gosta

Os esportes são grandes aliados, então, que tal unir o útil ao agradável? Reserve um tempo para praticar o que gosta, trabalhando a parte física ou mental por meio de jogos por exemplo, como: futebol, xadrez, sinuca, dominó, etc. O que importa é fazer algo que te deixe feliz.

Não tenha pena de si mesmo

baixa-autoestima

Afaste-se de pessoas que lhe fazem mal e aproxime-se de quem te faz sentir bem! É importante se organizar e estar ao lado de pessoas amadas. Ame a si mesmo e enxergue todo o potencial que há dentro de você. Pode parecer um passo difícil, mas nunca será possível se você não tentar, “seja o autor da sua própria história”. Se você tem filhos, é importante reservar um tempo para eles, pois como foi dito anteriormente, a atenção dos pais forma crianças seguras, não deixe que seu momento reflita na evolução da autoestima deles, e a reciprocidade vem recheada com o mais puro amor.

Autoconhecimento

Saber mais sobre si mesmo e reconhecer seu potencial pode fazer toda a diferença. Em casos extremos onde a visão de si é completamente diferente da realidade, pode-se consultar um especialista, que irá lhe ensinar a lidar com suas próprias fraquezas e inseguranças, mostrando a realidade dos fatos. Conversar sobre o assunto facilita a mudança da autopercepção, por que não tentar?

Lembre-se, a autoestima não se constrói de um dia para o outro, seja paciente consigo mesmo! Gostou das informações? Deixe seu comentário, conte mais sobre sua vida aqui no Saudável e Feliz.

Deixe um comentário
Print Friendly, PDF & Email

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui