Anestesia – a maior invenção da medicina

Compartilhe
anestesia-a-maior-invencao-da-medicina

“As descobertas e invenções médicas transformaram a vida de várias civilizações, tornando-a possível com menos sofrimento e por muito mais tempo. Mas nada seria possível ou suportável se não fosse descoberta uma forma de vencer a dor, desafio que sempre se impôs como um objetivo para os estudiosos da ciência médica desde Hipócrates.”

– Scielo, Jornal Brás Patol – laboratório de Medicina.

Você já se imaginou em pleno século XXI realizando uma cirurgia, ou qualquer outro procedimento médico sem uma anestesia? É algo impensável não é mesmo?!

A maior invenção da medicina concedeu para a humanidade, a possibilidade de realizar inúmeras inferências no corpo, sem ser acometida pela dor e, com isso, técnicas que seriam incabíveis de serem realizadas, passaram a ser efetuadas e deram ótimos resultados.

O que é a anestesia?

A palavra é originária da Grécia antiga, e significa: ausência de sensação. E o significado por si só, já é elucidativo, pois “ausência de sensação” nos permite entender que o intuito dela, nada mais é que, induzir uma pessoa em um estado de perda de responsividade, de analgesia, de perda de reflexos musculares esqueléticos e minimizar o estresse e ansiedade.

Destacamos o estado de analgesia, como um dos mais importantes, pois significa: a perda ou ausência de sensibilidade à dor. Quando a pessoa é induzida nesse estado “anestésico”, ou seja, se encontra anestesiada, o cirurgião ou qualquer outro especialista que for realizar qualquer procedimento estará assegurado que o processo ocorrerá sem sofrimento, bem como, quem está passando pela cirurgia não sentirá dores, portanto, não gerará desconforto.

venda-online

“A anestesia é um procedimento médico que visa bloquear temporariamente a capacidade do cérebro de reconhecer um estímulo doloroso. Graças à anestesia, os médicos são capazes de realizar cirurgias e outros procedimentos invasivos sem que o paciente sinta dor.”

-Dr. Pedro Pinheiro.

Vale acrescentar, que a pessoa pode ficar parcialmente, ou totalmente anestesiada, isso dependerá muito do procedimento que será realizado. Portanto, para cada ocasião existe um tipo de técnica para anestesiar e um anestesiante.

Os tipos de anestesias

Existem três tipos, elas são definidas de acordo com o grau, bem como, a parcela do corpo que será “bloqueada”. Os três tipos são:

  • Geral;
  • Regional;
  • Local.

Anestesia geral

Esse tipo é indicado para as cirurgias em que a complexidade é extrema, bem como, quando serão realizadas remoções de tecidos, órgãos e/ou quando o procedimento ocorrerá em partes vitais. A pessoa que recebe uma anestesia geral fica inconsciente, incapacitada de mexer o corpo e completamente bloqueada para a resposta da dor.

“Existe o mito que a anestesia geral seja um procedimento anestésico perigoso. Não é verdade. Atualmente, a anestesia geral é um procedimento bastante seguro. Na maioria dos casos, quando o paciente submetido a uma cirurgia extensa apresenta complicações, o motivo não é ser geral. As complicações são geralmente derivadas de doenças graves que o paciente já possuía, como problemas cardíacos, renais, hepáticos ou pulmonares em estágio avançado, ou ainda, por complicações da própria cirurgia, como hemorragias ou lesão/falência de órgãos vitais.”

-Dr. Pedro Pinheiro.

Anestesia regional

Ela é destinada para os procedimentos menos complexos, em que a pessoa pode ficar acordada durante a cirurgia. O seu objetivo é bloquear apenas uma fração do corpo. Os especialistas contam com dois subtipos de regional, são elas a raquidiana e a peridural.

Raquidiana

Conhecida também apenas como “raqui”, ela é famosa entre as mulheres, pois os partos cesarianos são realizados graças ao anestésico que bloqueia a região abdominal e, com isso, é possível realizar a remoção do bebê, sem a mãe sentir dor.

O anestésico é injetado nas costas da pessoa, através de uma agulha que atinge uma área da coluna espinhal, chamada subaracnoide (dentro do canal espinhal). A raquianestesia também é recomendada para as cirurgias das pernas, joelhos e pés (intervenções ortopédicas).

anestesia

Peridural

Esse subtipo também é injetada nas costas, todavia, os especialistas não utilizam uma agulha para inserção do anestésico, é usado um cateter que tem por objetivo atingir a região ao redor do canal espinhal (espaço peridural). Na peridural, o anestesista precisa administrar as doses do anestésico constantemente.

Anestesia local

Tem por objetivo o bloqueio de pequenas partes do corpo. É utilizada por muitos especialistas de diversas áreas, de dentistas a dermatologistas. O anestésico nesses casos pode ser aplicado (injeção de lidocaína), pulverizado (spray) ou espalhado (gel) na região-alvo. Os dentistas utilizam muito esse tipo para realizar suas intervenções odontológicas.

Fique sabendo: O primeiro especialista que utilizou uma anestesia (éter) foi um dentista chamado William Thomas Green Morton. No ano de 1846, ele foi convidado por um hospital para demonstrar a sua técnica de “bloquear a dor”. E ocorreu nada mais, nada menos do que uma operação de um jovem que estava com um tumor no pescoço em uma demonstração pública. William Thomas preparou o voluntário, e o Dr. Warren o operou. A técnica utilizada pelo dentista era por inalação do anestésico.

leia-doenca-cardiacas-na-menopausa

É muito interessante, não é?! Gostou? Deixe o seu comentário relatando se você já usou algum tipo de anestesia e como foi a sua experiência. Participe!

 

Deixe um comentário
Print Friendly, PDF & Email

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui